Os prejuízos psicológicos da pandemia serão problemas de longo prazo e podem ser considerados uma quarta onda de Covid-19, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

De acordo com a entidade, não é só o medo do contágio que piora a saúde mental, mas também o estresse e a ansiedade causados pelo confinamento, fechamento de escolas e problemas financeiros.

Em uma entrevista ao jornal Correio Braziliense, a médica psiquiatra, conselheira do CRM-DF e presidente da Associação Psiquiátrica de Brasília (APBr), Renata Figueiredo, alertou que as altas taxas de contaminação no Brasil contribuem para o adoecimento psíquico. “Com essa taxa alta, você soma os danos econômicos e o luto por que muitas pessoas têm passado. É tudo propício para danos à saúde mental dos brasileiros”

Além disso, algumas pessoas que já sofriam de transtornos psiquiátricos abandonaram o tratamento. “Temos pessoas que largaram o tratamento que faziam com medo de sair de casa e também os efeitos gerados pelo isolamento”, acrescentou a médica.

Para ela, é preciso reforçar o atendimento psiquiátrico à população. “Temos que oferecer a possibilidade de a pessoa conversar com o médico presencialmente e também virtualmente. É importante esse incentivo à telemedicina, pois pode evitar que as pessoas larguem os tratamentos pela metade”, defende. “Temos que criar opções para aumentar o acesso aos especialistas, e precisamos também de mais médicos para atender a essa demanda de atendimentos e evitar que as pessoas fiquem esperando na fila. Indivíduos com risco de suicídio ou que querem largar um vício em drogas não deveriam ficar esperando.”

Confira a reportagem completa em: bit.ly/3iPZnaL

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.